Vidas paralelas...

Uma das coisas que me faz gostar de andar de transportes públicos é poder observar as mesmas pessoas todos os dias. Gosto de observar os que vão sós, com a sua música, o seu livro ou, pura e simplemente, os seus pensamentos. E gosto de dar nomes imaginários a cada um deles.

Neste grupo, gosto em particular de uma senhora que terá cinquenta e muitos anos e que lê invariavelmente escritores gregos, uns mais, outros menos conhecidos. Ainda não lhe dei um nome. Acho engraçado o facto de haver uma rapariga que apanha o autocarro na paragem seguinte à minha, que trabalha um piso acima de mim - logo vamos sempre juntas no elevador - e costuma voltar no mesmo autocarro. Mas nunca cumprimenta, a menos que seja cumprimentada. Há também a Miss Kindle, que sempre que consegue ir sentada tira o seu livro digital da enorme mala e lê livros com animais no título - pode ser coincidência, mas já foram pelo menos três...

É, porém, inegável que os que vão acompanhados são os mais interessantes de observar, já que abrem uma janela um pouco maior para as suas vidas... como as duas meias-irmãs da Cinderela, que são as minhas companheiras de autocarro favoritas. A mais nova, que terá uns vinte e tal, tem-se feito acompanhar por um livro de "Uma Aventura". A mais velha, que julgo ter uma filha, é mais séria e tem um ar um pouco mais sofrido e cansado. Mas aparentam ser daquelas irmãs inseparáveis, melhores amigas, com uma relação inabalável e inultrapassável... como eu gostaria de ter tido uma irmã assim...   

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O mistério da aparente imutabilidade

Os fumadores das nove em ponto

Overload